Páginas

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Cinema turco - diferentemente belo

.
.
..
...
Diferente de tudo que vi em quase quarenta cinéfilos anos, “Três macacos” (Üç Maymun, Turquia, 2008) eviscera-se numa estética da feiúra – abandonando o eufemismo do título, o filme é feio, sem viço, umas vezes grotesco, outras com vestígios kitsch... Mas é também surpreendente, intensamente hipnótico, desconcertantemente pesado.

É, quanto ao mais, pura arte.

A obra possui dinâmica própria; o recurso do plano-sequência é ora privilegiado sob a forma de cenas longas e silenciosas, ora subvertido numa fragmentação perturbadora. Detalhes factuais são desimportantes, quando não absolutamente ignorados. O desespero e a solidão se estampam tanto nos sobrecenhos pesados, e nas marcas profundas das rugas, e nas expressões leitosas de cada olhar, quanto no céu carregado da última cena, arauto de tenebrosa tempestade...

E um céu tempestuoso pode ser surpreendentemente belo...
...
...
..
.

2 comentários:

Mariê disse...

Sem dúvida o desespero e a solidão estão estampados o tempo todo nesse filme. Um retrato duro de uma família turca às voltas com seus problemas e suas idiossincrasias (rá! fazia tempo que não usava essa palavra).

bj

Marcello disse...

Nessas viagens pelo cinema 'estrangeiro' tem hora que a gente acerta, né? Este, acho que foi um belo acerto. Um bj.