Páginas

quinta-feira, 11 de junho de 2015

O Ovo da Serpente

.
.
..
...
Ao longo da História, com raros e breves hiatos, o homem sempre foi um ser beligerante. Até o século XIX – e especialmente nele – a beligerância esteve de tal modo arraigada no assim chamado “mundo civilizado” que era quase impossível dissociá-lo, o "mundo civilizado", do fenômeno da guerra. Aquelas eram nações imperialistas, militarizadas, construídas pelo poder das armas. Aquele era um tempo em que se renegava o frágil e o sensível em detrimento do heroísmo e da força. Bismarcks, Víctor-Emanuéis, Napoleões-Terceiros, Romanovs, eram os corifeus de então.

Todavia, no seio do seu núcleo social, esse mesmo homem oitocentista cultivava a cortesia, o refinamento, o cavalheirismo, o galanteio. O século XIX é conhecido pelo espírito artístico e contemplativo dos seus notáveis. O sentimento de honradez, o rigor moral, as regras sociais, praticavam-se como valores inerentes à ética daquele homem, dito digno e culto (ainda que de modo superficial, dissimulado, hipócrita, no domínio das aparências).

O século XX, breve e sobressaltado, traria duas guerras de proporções inéditas. A reboque delas, a bomba H, a tecnologia, a imagética, o individualismo. Se por um lado o homem, receoso do próprio potencial destrutivo, procura reconhecer sua fragilidade, por outro lado ele se isola. Enquanto a revolução tecnológico-científica se consolida e o pós-guerra reinaugura o mundo, as novas guerras se travestem de “santas”, de "culturais", de "sociais". E já não estão restritas ao campo de batalha...


O “animal político” aristotélico, depois “racional” pelos cartesianos, converte-se em “animal assustado”. É um bicho acuado pelos próprios artifícios, ameaçado pelo próprio medo. O homem já não se reconhece no outro, seu igual, medida de si próprio. Ao contrário, o outro é a ameaça.

Ao isolamento segue-se o estranhamento; a este, a misantropia. Em tempos de individualismo e egoísmo viscerais, qualquer valoração da vida (especialmente a do outro) carece de elementos significadores. O banal é a palavra de ordem. A indiferença à alteridade se atrela ao isolamento. A empatia é o medo. Eis o “Ovo da Serpente” *, guardado e velado pela Serpente, cuja casca fina e diáfana exibe no interior... a Serpente que será parida.

Século XXI… Um menino de dez anos que será, possivelmente, tão longevo quanto os outros, certamente é precoce como nenhum. Quanto a estes tempos, quando a serpente já eclodiu, só se pode tergiversar... e ter fé no melhor acaso.
...

O Ovo da Serpente é um filme de 1977 escrito e dirigido por Ingmar Bergman, estrelado por David Carradine e Liv Ullmann

...
..
.

3 comentários:

Vais disse...

Ei Marcello,
o medo é uma coisa terrível
bloqueia
impede
atormenta
embota
a modernidade encarcerou
são as grades
os fios eletrificados
as espirais altamente afiadas
os alarmes e o escambau em nome da proteção

penso, vejo, sinto que é deste jeito que virou

"O homem já não se reconhece no outro, seu igual, medida da sua própria essência. Ao contrário, o outro é a ameaça."

se isso não for a tragédia maior, o própio inferno, não sei o que seja

abraço

Mariê disse...

Gostei bastande da análise. Esse isolamento que se transforma em misantropia é reforçado pelo excesso de redes sociais e por esse culto ao relacionamento "fake", intermediado pela tela do computador. Posso tudo no anonimato, mas fica faltando a verdadeira convivência, né?

Este século XXI ainda vai dar muito o que falar...


Marcello disse...

.
Concordo, Vais. E para nós, que temos o diagnóstico (embora o prognóstico não seja dos melhores), cabe resistir e fazer a diferença. Como? Ora, desimportando o desimportante, se livrando de amarras, vivendo com o outro pela alegria de viver...
Porque a alternativa é pior...

Grande Abraço.

...

É, Nêga, e a tendência é recrudescer.
Mas isso é com o resto do mundo, meu negócio é seguir vivendo comigo e com o outro da melhor maneira pra "quando eu morrer não sobrar vida pra contar". :)