Páginas

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Importância

.
.
..
...

Se existe a Verdade completa
Esta é a verdade que há
Que um dia a voz do poeta
Calará...


Se eu tenho certezas antigas
Há uma que nunca me esquece
Que o som das velhas cantigas
Emudece...


Do muito o que foi-te ensinado
Um nada ficou no lugar
Que tudo está condenado
A acabar...


Das coisas que não se duvida
De todas se duvidará
De certo está que a vida
Morrerá...


O tudo que eu sei que sabia
É o nada que eu não saberei
Do resto está que um dia
Não serei…

...
..
.

3 comentários:

Mariê disse...

Eu AMO DEMAIS esse seu poema, Preto. Mas DEMAIS mesmo!

Vais disse...

Muito bonito, mesmo, Marcelo!

Tive um Professor de Biologia, e quando ele ia ensinar sobre o ciclo da vida, era assim,
nascer, crescer, reproduzir, e no lugar de morrer, ele colocava, transformar, pois ele dizia estar falando do ciclo da vida
grande Spínola!

Abraço

Marcello disse...

Também gosto, Preta, pq além do dizer, ele tem um rítimo, uma musicalidade.

Obrigado,
beijo


Valeu, Vais! E ó, um segredinho: também fui professor de biologia. Talvez esse meu lado cético tenha um pezinho fincado aí.

Um abraço.