Páginas

sábado, 16 de outubro de 2010

Cada um e todos nós

.
.
..
...
Todo indivíduo é único
Todo indivíduo é insondável
Mas também é genérico
Mas também é humanidade
- obra do esquecimento,
Imposição da memória

Todo indivíduo é (pelo menos) dois,
E o verdadeiro é o outro
- obra do engano e da dúvida

Todo indivíduo é metade,
A outra metade é neblina
- senão por força de ser metade,
Mas por obra da vontade

Todo indivíduo é, se pensa que é
- obra do acaso...
E se segue a ser
É por força da vaidade...
...

(insipirado no conto "O Guerreiro e a Cativa", de Jorge Luis Borges)
(com contribuições de Carolina)
(imagem daqui)
...
..
.