Páginas

quarta-feira, 17 de março de 2010

Saudade

.

.
..
...
O que dizer sobre a saudade?..., esta, pelos vivos, por quem se sabe: veremos outra vez.
O que dizer sobre esta saudade?...

Que é dor, sim, mas dor suave a aplacar a dor maior – a dor da perda?

Que é imprecisa, e tal qual a solidão – sua amiga – não se tem dela a precisa dimensão?

Que é sorrateira, que não se deixa perceber, mas espreita de trás das portas, de dentro dos cômodos vazios onde antes havia você?

Que, como o tempo, é relativa, e de tempo em tempo emerge das horas para fazer o mesmo tempo não passar?

Que é fisiológica e faz doer (não tão suavemente assim) cada fibra do corpo, e dói mais forte no peito sob a injunção do coração... ou do estômago?

Que é incoerente, às vezes, se pode se sentir saudade de quem está do lado, se num momento se distancia? (e dá o tom da dor que se sentirá depois, quando de fato você se vai?...)

Que dizer sobre a saudade?..., se nada do que se disser trará você de volta.... E resta esperar, esperar, e esperar... pela incerteza de amanhã...
...
..
.

3 comentários:

Anônimo disse...

Marcello,
é meu caro, saudade, essa palavra dói, dependendo da situação.
Deixo aqui um poema q/ acho lindo, espero q/ amenize essa saudade q/ tu sentes agora; n/ sei do q/ e nem de quem, ou até mesmo de algum lugar...ou até de vc. mesmo!!!
Abraços.

Saudade é solidão acompanhada,
é quando o amor ainda não foi embora,
mas o amado já...

Saudade é amar um passado que ainda não passou,
é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida...

Saudade é sentir que existe o que não existe mais...

Mariê disse...

A saudade às vezes dói aquela dorzinha gostosa da cãimbra no dedão do pé. Essa eu gosto.

Marcello disse...

Anônimo, 'saudade pelos vivos é dor suave', não pega tanto assim, não.

Mariê, esta é saudade boa que vezenquando dá, mas a incerteza...