Páginas

quinta-feira, 18 de março de 2010

Até quando

.
.
..
...
Dizem que o amanhã não existe...
Tolice!, de quem nunca desiste
De pretender só o ‘agora’, decerto
Protegido de um futuro incerto;
Mas que descobre, depois, estupefato,
Que existe, sim, um futuro, de fato!
Se ainda não na concretude do real
Mas no domínio do desejo que, afinal,
É a dimensão do próprio pensamento
Tão concreto como este sentimento:
Eu te amo’, e te amando
Eu vou seguindo, até quando...
...
..
.

Deus é humor

.
..
...
...

...
...

.......

...e muito, muito mais, aí:

...
..
.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Saudade

.

.
..
...
O que dizer sobre a saudade?..., esta, pelos vivos, por quem se sabe: veremos outra vez.
O que dizer sobre esta saudade?...

Que é dor, sim, mas dor suave a aplacar a dor maior – a dor da perda?

Que é imprecisa, e tal qual a solidão – sua amiga – não se tem dela a precisa dimensão?

Que é sorrateira, que não se deixa perceber, mas espreita de trás das portas, de dentro dos cômodos vazios onde antes havia você?

Que, como o tempo, é relativa, e de tempo em tempo emerge das horas para fazer o mesmo tempo não passar?

Que é fisiológica e faz doer (não tão suavemente assim) cada fibra do corpo, e dói mais forte no peito sob a injunção do coração... ou do estômago?

Que é incoerente, às vezes, se pode se sentir saudade de quem está do lado, se num momento se distancia? (e dá o tom da dor que se sentirá depois, quando de fato você se vai?...)

Que dizer sobre a saudade?..., se nada do que se disser trará você de volta.... E resta esperar, esperar, e esperar... pela incerteza de amanhã...
...
..
.

Desiguais

.
.
..
...
Ternos
Retos
Discretos
Dândis, bom recorte;
Dentro
Tortos,
Rotos,
Absortos...
Sem norte.

Outros
Trapos,
Farrapos
Gebos, maltrapilhos;
Dentro
O desalento
O tormento,
Famélicos filhos.

Pelos
Lisos
Precisos,
Géis, tonalidades;
Sob
Narcisos,
Sorrisos
Concisos...
Infelicidades.

Outros
Pretos
Crespos,
Guetos, oleosidade;
Sob
Histórias,
Memórias
Escórias...
Realidade!
...
..
.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Nassif X FSP - 2 a 0, até aqui

.
"Primeiro eles te ignoram, depois riem de você, depois brigam, então você vence" (Gandhi)
.
..
...
Matéria da FSP desta quinta-feira, 11 de março, sobre o contrato entre a TV Brasil e o Jornalista Luis Nassif para a produção e exibição do programa de debates "Brasilianas":

"EBC paga R$ 1,2 mi a jornalista pró-governo".

Nos links abaixo, exposição de razões por Luis Nassif e repercussões:

http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2010/03/11/a-resposta-dada-as-perguntas-da-folha/

http://www.rodrigovianna.com.br/radar-da-midia/o-ataque-da-folha-e-a-resposta-de-nassif

http://brasiliaeuvi.wordpress.com/2010/03/11/frias-retaliacoes/

http://olicruz.wordpress.com/2010/03/11/nassif-apanha-da-folha-e-que-ele-faz-jornalismo/

http://acertodecontas.blog.br/midia/luis-nassif-x-folha-de-s-paulo/

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_secao=6&id_noticia=125612

Divulgue!
...
..
.

A profecia de Rubem Braga

.


.
..
...
"Luto da família Silva

A assistência foi chamada. Veio tinindo. Um homem estava deitado na calçada. Uma poça de sangue. A Assistência voltou vazia. O homem esta morto. O cadáver foi removido para o necrotério. Na seção dos "Fatos Diversos" do Diário de Pernambuco, leio o nome do sujeito: João da Silva. Morava na Rua da Alegria. Morreu de hemoptise.

João da Silva - Neste momento em que seu corpo vai baixar à vala comum, nós, seus amigos e seus irmãos, vimos lhe prestar esta homenagem. Nós somos os joões da silva. Nós somos os populares joões da silva. Moramos em várias casas e em várias cidades. Moramos principalmente na rua. Nós pertencemos, como você, à família Silva. Não é uma família ilustre; nós não temos avós na história. Muitos de nós usamos outros nomes, para disfarce. No fundo, somos os Silva.

Quando o Brasil foi colonizado, nós éramos os degredados. Depois fomos os índios. Depois fomos os negros. Depois fomos os imigrantes, mestiços. Somos os Silva. Algumas pessoas importantes usaram e usam o nosso nome. É por engano. Os Silva somos nós. Não temos a mínima importância. Trabalhamos, andamos pelas ruas e morremos. Saímos da vala comum da vida para o mesmo local da morte. Às vezes, por modéstia, não usamos nosso nome de família. Usamos o sobrenome "de Tal". A família Silva e a família "de Tal" são a mesma família. E, para falar a verdade, uma família que não pode ser considerada boa família. Até as mulheres que não são de família pertencem à Silva.

João da Silva - nunca nenhum de nós esquecerá seu nome. Você não possuía sangue-azul. O sangue que saía de sua boca era vermelho - vermelhinho da silva. Sangue de nossa família. Nossa família, João, vai mal em política. Sempre por baixo. Nossa família, entretanto, é que trabalha para os homens importantes. A família Crespi, a família Matarazzo, a família Guinle, a família Rocha Miranda, a família Pereira Carneiro, todas essas famílias assim são sustentadas pela nossa família.

Nós auxiliamos várias famílias importantes na América do Norte, na Inglaterra, na França, no Japão. A gente de nossa família trabalha nas plantações de mate, nos pastos, nas fazendas, nas usinas, nas praias, nas fábricas, nas minas, nos balcões, no mato, nas cozinhas, em todo lugar onde se trabalha. Nossa família quebra pedra, faz telha de barro, laça os bois, levanta os prédios, conduz os bondes, enrola o tapete do circo, enche os porões dos navios, conta o dinheiro dos Bancos, faz os jornais, serve no Exército e na Marinha. Nossa família é feita Maria Polaca: faz tudo.

Apesar disso, João da Silva, nós temos de enterrar você é mesmo na vala comum. Na vala comum da miséria. Na vala comum da glória, João da Silva. Porque nossa família um dia há de subir na política..."
Rubem Braga, junho de 1935











...
..
.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Do que já nos livramos

.
.
..
...
(Postagem original no Blog do Nassif)
...
A Mulher dos Anos 50
Por Vera das Alterosas

Bom dia Nassif e todos. Primeiro dizer que descobri que acostumei a ler o meu jornal diário com as notas e comentários dos companheiros daqui. Senti falta quando o ig deu pau, viu? De verdade.
Segundo, hoje dia internacional da mulher, como já lembrado. E lendo também muito esta semana sobre as cotas raciais nas universidades. Lembrei-me de John Lennon ao dizer que a mulher é o negro do mundo. Frase antológica e ainda muito verdadeira.
Recebi e guardei estas pérolas que, certa vez, recebi por mail.
Nassif, parece invenção, mas não é. Estes conselhos foram compilados de Revistas Femininas dos Anos 50 e 60. Não resisti e estou postando como curiosidade, embora talvez não devesse…. hehehe. O tempo passa e as coisas mudam! Graças a isto.

"Não se deve irritar o homem com ciúmes e dúvidas.” (Jornal das Moças, 1957);

“Se desconfiar da infidelidade do marido, a esposa deve redobrar seu carinho e provas de afeto.” (Revista Claudia, 1962);

“A desordem em um banheiro desperta no marido a vontade de ir tomar banho fora de casa.” (Jornal das Moças, 1945);

"A mulher deve fazer o marido descansar nas horas vagas, nada de incomodá-lo com serviços domésticos.” (Jornal das Moça, 1959);

“A esposa deve vestir-se depois de casada com a mesma elegância de solteira, pois é preciso lembrar-se de que a caça já foi feita, mas é preciso mantê-la bem presa.” (Jornal das Moças, 1955);

“Se o seu marido fuma, não arrume briga pelo simples fato de cair cinzas no tapete. Tenha cinzeiros espalhados por toda casa.” (Jornal das Moças, 1957);

“A mulher deve estar ciente que dificilmente um homem pode perdoar uma mulher por não ter resistido às experiências pré-nupciais, mostrando que era perfeita e única, exatamente como ele a idealizara.” (Revista Claudia, 1962);

“Mesmo que um homem consiga divertir-se com sua namorada ou noiva, na verdade ele não irá gostar de ver que ela cedeu.” (Revista Querida, 1954);

“O noivado longo é um perigo.” (Revista Querida, 1953);

“É fundamental manter sempre a aparência impecável diante do marido.” (Jornal da Moças, 1957);

“O LUGAR DE MULHER É NO LAR . O TRABALHO FORA DE CASA A MASCULINIZA.” (Revista Querida, 1955) ."
...
..
.

Homenagem (reposted)

.
.
..
...
Mr. George Harrison, 67 anos no último dia 25 de fevereiro, se ainda estivesse por aqui.
Naquele mesmo 25 de fevereiro, deste ano, postei uma homenagem, mas testando agora, percebo que os links não remetem às músicas do ex-Beatle, como eu pretendia.
Então, aí vão de novo os links para as canções do, por assim dizer, Beatle "menor" (detalhe importante: "while my guitar gently weepes" e "here comes the sun" com Harrison no vocal e guitarra, segunda guitarra Eric Clapton, bateria Phill Coliins e Ringo Starr, piano Elton John, e por aí vai...)
Eis os links:

While my guitar gently weeps


Something


My sweet lord


Here comes the sun

(todas as músicas e letras dele, o "beatle menor", George Harrison)
...
..
.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Aos eleitores do DF

.
.
..
...
Do Brasília, Eu Vi - blog do Jornalista Leandro Fortes.
...
"Graças a Joaquim Roriz, candidato ao governo do Distrito Federal pelo PSC, à rotina de escândalos políticos de Brasília, simbolizada pela prisão do governador José Roberto Arruda (ex-DEM), agregou-se o deboche. Desde o dia 23 de fevereiro, Roriz aparece em rápidas inserções do programa eleitoral do PSC, do qual é presidente de honra, para se demonstrar uma inusitada indignação com o esquema de corrupção montado por Arruda e aliados no DF. As falas, visivelmente editadas, tentam compensar a incapacidade de articulação narrativa de Roriz, mas o elemento ofensivo do discurso não está forma, mas no conteúdo. Roriz, pai de todos os escândalos do DF, nos últimos 20 anos, se diz indignado com o que vê. E não se trata de uma piada.


“É tão vergonhoso, é tão escandaloso e eu fico numa indignação eu fico numa vergonha meu Deus do céu, como pode chegar nisso aí?”, pergunta Roriz, aos céus. “Mas, por outro lado, eu vejo firmeza na Justiça. A Justiça vai punir, a Justiça vai fazer como ela está fazendo. Então eu fico, por um lado eu fico com profunda decepção, e, por outro, cheio de esperança que a Justiça cumpra seu dever”, ensina o probo ex-senador do PMDB que, ocasionalmente, renunciou para não ser cassado por corrupção.


(...)


A simples perspectiva de que Joaquim Roriz possa ser eleito, novamente, governador do Distrito federal, deve ser encarada como sintoma de uma grave doença de caráter do eleitor do DF. Um fenômeno a ser discutido como questão prioritária de educação e de formação cultural, essa sim, a ser cuidadosamente pensada como intervenção federal. A posição de Roriz nas pesquisas revela, até aqui, uma inclinação corrupta dos eleitores do DF, inclusive da abastada classe média de Brasília (que nada tem a ver com a dura realidade das cidades-satélites).


Um pêndulo que oscila entre a ignorância e a má fé, sustentado por uma sinistra certeza de que, por aqui, ladrão não é quem rouba, mas só quem é pego roubando."

...
Leia a matéria completa aqui.
...
..
.
(imagem)

quarta-feira, 3 de março de 2010

Inacreditável!!!

.
..
...

Não, nisso aí de cima eu até poderia acreditar...
.
.
.
INACREDITÁVEL MESMO É ISTO:


CARA-DE-PAU EXPLÍCITA!!!
...
..
.
Upload em 03/03/10, 16:21 hs

Do comentarista Ademir, no blog do Luis Nassif:

"Nassif, tenho que fazer um comentario de um e-mail que recebi, mostrando um deslife em NY, em que um placa dizia: 'QUEM DECIDE A ELEIÇÃO NO BRASIL, NÃO É QUEM LÊ O JORNAL, MAS QUEM LIMPA A BUNDA COM ELE'”.
...
..
.

Alerta: Dilma cresce, 'grande mídia' reage

.
..
...
"Um espectro assusta a mídia: o espectro de um país mais justo e igualitário"
(de um comentarista, em matéria da Agência Carta Maior)
...
O forte crescimento da candidatura Dilma Roussef apurado pela última pesquisa Datafolha (deles mesmos, dos especialistas em Serra da Barão de Limeira...) está tirando o sono de muita gente. Por exemplo, em um tipo de conferência particular de comunicação da direita brasileira, um dito Fórum Democracia e Liberdade de Expressão reuniu no último dia 1º de março representantes dos principais (leia-se: 'mais grandes') veículos de informação (?) do país para debater os 'perigos' da (iminente, inevitável, inconteste?) vitória de Dilma Roussef nas próximas eleições. Participaram do evento, vejam só, Arnaldo Jabor, Carlos Alberto Sardenberg, Reinaldo Azevedo e Demétrio Magnoli, entre outras figuras bastante conhecidas pela postura elitista, pela resistência ao governo Lula e pela lambeção das lustrosas botas dos patrões midiáticos.
Entre outros disparates, esses 'ilustres' homens de mídia concluíram que "o PT é um partido contrário à liberdade de expressão e à democracia", e ainda que "se Dilma for eleita o stalinismo será implantado no Brasil"*; ao que conclui aquele raivoso bardo global, também conhecido em remotas eras como um grande cineasta frustrado: "Então tem que haver um trabalho a priori contra isso, uma atitude de precaução dos meios de comunicação. Temos que ser ofensivos e agressivos, não adianta reclamar depois", sentencia Arnaldo Jabor*.
Não sei você, raro leitor, mas eu chamo isso de golpe.
...
...
..
.

terça-feira, 2 de março de 2010

"De vento em popa...

.
..
...
...tal qual o navio que desliza, calma e velozmente"
(Orlando Neves, em Dicionário das Origens das Frases Feitas)

Charge de O Povo Online

E aqui, os resultados da última pesquisa Datafolha
(deles mesmos, os especialistas em Serra lá da Barão de Limeira...)
...
..
.