Páginas

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

"O diabo no meio da rua..."

.
..
...
“O Diabo no Meio da Rua” é meu segundo blog.
O primeiro durou um ano – perdeu força, teve vida curta. Este, pretendo menos breve.

“O diabo no meio da rua...”(1) é o mal fincado na natureza, misturado em tudo, outra cara do bem.
Se “o sertão é do tamanho do mundo”, o diabo é tudo e cada um – deuses também.
Bons e maus, faces da mesma moeda, conflito em equilíbrio - “humanos, demasiado humanos”(2) , enfim.

Na abertura do meu primeiro blog estava a belíssima crônica ‘A Outra Noite’, do Rubem Braga.
Este, abro com um poema sobre o poeta, o "artífice de si mesmo, barro do próprio sonho"(3). E este post, de boas-vindas, encerro com Walt Whitman:


"Eu me contradigo?
Pois bem, eu me contradigo,
Sou imenso, contenho multidões"

...
(1) Subtítulo de Grande Sertão: Veredas, Guimarães Rosa
(2) F. Nietzsche
(3) Paráfrase de 'Memória da Esperança', Thiago de Mello
...
..
.

2 comentários:

Mariê disse...

É o que somos. Gamas, níveis, subníveis de sentimentos e de agires. Nada é preto ou branco, mas uma enorme paleta de cores que percorremos todo o tempo. Somos, sim, multidões presas em um corpo, soltas em uma mente que busca. Busca sempre.

Marcello disse...

Nem mau nem bom, mas humanos...
Bem-vinda ao blog, Preta!